Fotos e Vídeos

Campeonato Brasileiro de Rally

Pilotos desafiam a velocidade e se surpreendem com as belezas da SerraLages teve um final de semana diferenciado, com uma exibição e movimentação de carros inusitados e pilotos com macacões coloridos desfilando pelas ruas e avenidas.

As paisagens naturais e intocáveis de Lages foram palco de um espetáculo especial neste final de semana, o Campeonato Brasileiro de Rally Baja e Cross Country, nas categorias Carros, Motos, Quadriciclos e UTVs, pela disputa do Rally Rota SC (5ª edição). A competição contou com 88 competidores percorrendo 440 quilômetros distribuídos entre trechos na Coxilha Rica e em Painel e Urupema num misto de velocidade, adrenalina, superação de limites, poeira, lama, passagens em pontes, contemplação às belezas naturais, problemas mecânicos e acidentes. Foram 39 motos, seis quadriciclos, 30 UTVs e 24 carros inscritos.

Lages teve um sábado e domingo (30 e 31) bem diferenciados, com uma exibição e movimentação de carros inusitados e pilotos com macacões bem coloridos desfilando pelas ruas, avenidas e rodovias. E tudo isto com um gosto memorável, o de ter entre os seus maiores competidores um lageano, o navegador da categoria Carros, Gustavo Gugelmin, 33 anos, filho do piloto também lageano Sérgio Gugelmin (62), também competidor no rally promovido na Serra. Gustavo correu ao lado do piloto paulistano, Reinaldo Varela (56). Treinamentos físicos e ajustes no carro é o foco da dupla, afinada já há cinco anos. O Parque de Apoio, onde estavam concentração, estacionamento dos veículos participantes e carretas de suporte, equipes técnicas, lavação de carros e confraternizações estava sediados na parte externa do Lages Garden Center, enquanto na parte interna funcionou a Secretaria do evento, que foi diretamente apoiado pela Secretaria do Turismo. O evento foi promovido pela Mr Bits Eventos Esportivos, com diversos patrocinadores. Em 2017, o Rally Rota SC está confirmado para a cidade de Lages e terá novamente como cenário a Serra Catarinense.

 

Campeões lageanos

A largada para a especial cronometrada de 134 quilômetros começou às 8h no domingo. Os vencedores do dia foram: Reinaldo Varela, com o navegador lageano Gustavo Gugelmin (Carros), Jérémy Dubois (Quadriciclos), Bruno Varela (UTVs) e Sergio Mokva Jr. (Motos). Outro lageano, Leandro Matos Lemos (Lelê) ficou com o título nas motos, com sua KTM 250. Jérémy Dubois (KTM 525 XC) venceu os dois dias de disputas nos quadriciclos e segue disparado na liderança do campeonato. A dupla paulista Michel Terpins e Beco Andreotti (Protótipos T1/T-Rex), após o acumulado dos dois dias, garantiu o título do Rally Rota SC. Aristides Mafra foi o campeão entre os UTVs.

 

A única cidade do Sul

 

Lages é a única cidade, em direção abaixo de São Paulo, a sediar as provas nacionais. “A competição envolve profissionais qualificados, com alto poder aquisitivo para aquecer a economia através do turismo e eventos e colocam Lages em destaque. Além disto tudo, nós temos um campeão.  Gustavo e seu pai Sérgio representam nossa cidade. Têm a genética das competições há longos anos, em disputas de carro, moto, kart e jipe”, pontua o secretário do Turismo, Flávio Agustini. A intenção é de que a competição permaneça no calendário de eventos de Lages.  

Gugelmin ganhou cinco das seis etapas do Campeonato Brasileiro. “Eu rodo o mundo inteiro disputando rallies há cinco anos e pela primeira vez corri em casa. Em minha carreira sempre tentando alcançar o lugar mais alto do pódio. Fiz de tudo de melhor para representar Lages. Para mim foi marcante”, sintetiza o campeão Gustavo. Seu pai não escondeu a emoção de vivenciar esta fase de Gugelmin, o mais velho de um casal de filhos. “Primeiramente, é um orgulho muito grande ter um filho correndo em Lages, a sua terra, junto aos amigos e da sua cidade. Em segundo, é uma honra receber nossos companheiros aqui em Lages. Sinto-me muito lisonjeado”, revela Sérgio. O evento integra o Festival de Inverno Serra Catarina, do qual fazem parte, ainda, o Festival Gastronômico Sabores de Lages, Festival Música na Serra, espetáculos teatrais no Marajoara e no Sesc e shows, entre outros. O organizador do evento, André Alcântara, ressalta que o grid foi bem expressivo, configurando entre um dos maiores do Brasil. “Os profissionais gostaram muito da região como um todo e da estrutura que o shopping nos proporcionou.”

 

Pilotos premiados elogiam a cidade

 

Reinaldo Varela é o parceiro de Gugelmin com entrosamento e diversas etapas do campeonato mundial disputadas lado a lado, e estreou em Lages tanto como piloto, quanto turista. “É uma cidade maravilhosa. Elogiei bastante ao Gustavo. Um lugar maravilhoso, apesar de muito frio, com o qual não estamos acostumados devido à intensidade.” O piloto empresário Rafaeli Sgarbossa, de Lages, representou o patrocinador American Oil na categoria quadriciclo na disputa regional, bem como seu amigo, o empresário Marcio Freitas de Almeida, da Supridental. Ambos participam de disputas há cerca de 15 anos e pela primeira vez competiram em Lages nesta categoria de forma nacional. “Todo ano corremos o Tuiuiú, assim como Citadino e o Estadual”, explica Almeida. “Sempre estamos nas disputas regionais e Copa de Enduro Fin, como outras da região do Planalto”, complementa Sgarbossa. Os dois amigos, concorrentes com os demais pilotos, disputaram nos 154 quilômetros de prova e 30 de deslocamento, portanto. “Para nós é ótimo competir com o pessoal de fora. É uma experiência ímpar estamos juntos com os pilotos de sucesso que correm Paris-Dakar, Brasileiro e Rallydos Sertões. São pilotos de ponta”, conclui Almeida.

 

O piloto mineiro

 

Daniel Costa veio de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, competir em terras serranas pela primeira vez na categoria UTV Super Production - (Utility Task Vehicle), embarcado em seu Polaris XP 1000, um veículo que lembra os famososbugs. Está em primeiro lugar na categoria e em 5º no ranking geral. O piloto largou às 10h e chegou às 13h no sábado. Ele comenta ter sido uma experiência bem distinta das anteriores diante do tipo de solo. “Uma região com muitas pedras. Um pneu furou, mas chegamos tranquilos, deu tudo certo.” Sobre a cidade, ele assina embaixo dos comentários positivos relacionados à organização, limpeza, sinalização, estética e hospitalidade em Lages.

 

Os paranaenses

 

Maurício Neves é proprietário de uma empresa de preparo de carros de rally e piloto há 17 anos. Vindo de Curitiba, competiu na categoria UTV Pro. Já havia disputado na Serra, no Rally São Joaquim, com percursos até as proximidades a Lages, sendo que o último foi em 2012. “Eu saí da estrada no quilômetro 36 em uma curva perigosa e caí em um lodo num pântano. Levei uma hora para sair de lá. Mas está tudo bem.” Ele largou sendo o 3º lugar no Campeonato, pois não completou a prova, abandonando-a somente no sábado. Em relação à cidade, notou nítidas modificações nestes últimos quatro anos em que esteve longe. “Avalio que a cidade está muito mais bonita. Adorei as avenidas e o sistema de iluminação dos postes está lindo (Duque de Caxias). O hotel também é muito bom. Melhorou muito. O estilo me impressionou. Está uma cidade moderna.”

O navegador Leonardo Telles Silva, supervisor de logística na montadora da Renault em São José dos Pinhais, viajou da capital paranaense. Parceiro do piloto Tiago Larossa desde o ano passado, é navegador há quatro anos e concorreu na Serra defendendo a categoria UTV Super Production. Ele coleciona premiações em rallies de velocidade (carro), com 3º lugar na última etapa. “Fomos bem, o carro aguentou bastante. Tivemos bastante dificuldade com o rádio-comunicador e falhas no odômetro. A gente se perdeu durante uns dois minutos, mas voltamos à prova.” Lages fascinou o competidor. “Fiquei contente com a diversidade de terreno, mata fechada e locais de pedras. O horizonte plano é lindo e os muros de pedras (taipas) chamam a atenção. Já morei em São Paulo e não há igual no resto do Brasil. O clima é bom.” O suporte foi lembrado. “Eu gostei desta primeira impressão da cidade, apesar de termos andado pouco, já que chegamos ontem à noite. Estivemos satisfeitos com a estrutura montada, perto de um shopping, ao lado da cidade, de tudo que precisamos como apoio. Tem rallies dos quais participamos que acabamos ficando no meio do anda, sem suporte.”